Notícias

  • Comissão Própria de Avaliação (CPA) prepara os últimos ajustes para a Avaliação Institucional. Confira!

    Nesta terça-feira (30/08), a Comissão Própria de Avaliação (CPA) do UniBagozzi se reuniu para os últimos preparativos da Avaliação Institucional que acontecerá no próximo mês. Foram discutidos assuntos como a comunicação que será feita para a comunidade acadêmica e seus objetivos, além da estratégia de aplicação da pesquisa.    
  • Coordenadora e representantes de turma do curso de Serviço planejam atividades do próximo semestre. Confira!

    Nesta segunda-feira (29/08), a coordenadora do curso de Serviço Social, Profª Gilceia Santos, e as representantes de turma do curso, Eloize Rodrigues, Alessandra Franco (2º Período), Ana Carolina Crozeta (4º Período) e Kelly Lara, Leila Milek (7º Período), reuniram-se para definir as atividades do próximo semestre.
  • Coordenadora do curso de Serviço Social visita associação conveniada. Confira!

    No último sábado (27/08), a coordenadora do curso de Serviço Social, Profª. Gilcéia Santos, visitou a Associação Vovô Vitorino que está localizada no bairro Tatuquara em Curitiba. A coordenadora representou o Centro Universitário UniBagozzi que mantêm convênio com a instituição e que recebe os estagiários do curso de Graduação em Serviço Social. O UniBagozzi foi recepcionado pela assistente social Maria Julia Xavier, e as alunas/estagiárias Kelly Lara, Edna Pereira e Simone Rodrigues. Além das trocas da academia com o campo de estágio, em relação as condições éticas e técnicas para o exercício profissional, foi possível conhecer de perto os projetos sociais que são executados junto a comunidade.
  • “Agosto Lilás”: campanha pelo fim da violência contra mulher. Saiba mais!

    “Agosto Lilás”: campanha pelo fim da violência contra mulher A Lei Maria da Penha, instituída pela Lei nº 11.340 (de 07 de agosto de 2006), em 2022 completou 16 anos e, apesar dos avanços na elaboração de dispositivos de defesa da mulher, mantém-se atual na urgência sobre a sensibilização e conscientização pelo fim da violência contra mulher. A campanha “Agosto Lilás” foi idealizada pela Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SPPM) em 2016 para comemorar os 10 anos da Lei Maria da Penha. A campanha, agora endossada pelo Congresso Nacional, continua a marcar a necessidade sobre ações educativas que contribuam para mudança no triste cenário da violência doméstica e familiar contra a mulher, divulgando os serviços especializados da rede de atendimento à mulher em situação de violência, como os mecanismos de denúncia. Anualmente o Fórum Brasileiro de Segurança Pública realiza pesquisa juntos aos órgãos públicos de segurança, utilizando dados oficiais para compor o Anuário Brasileiro de Segurança Pública (disponível em: https://assets-dossies-ipg-v2.nyc3.digitaloceanspaces.com/sites/3/2022/06/anurio-2022.pdf ); os dados referentes a 2021 foram divulgados em julho deste ano. Em relação à violência contra as mulheres, os registros referem-se a mortes violentas, estupros e tentativas de estupro. Em 2021 houve crescimento de 0,6% de agressões por violência física (total de registros de 230.861), aumento de ameaças em 3,3% (totalizando 597.623 registros) e aumento de 4% de chamados pelo 190 (representando 619.353 ligações). Já em medidas de proteção foram expedidas 370.209, o que representa aumento de 13,6%. Entre as vítimas de feminicídio, 1341 vítimas, mais de 68% tinham entre 18 e 44 anos, sendo que mais de 65% morreram dentro de casa e 62% das vítimas eram mulheres negras. Dos autores, mais de 81% eram companheiro ou ex-companheiro da vítima, e outros 14,4% mantinham outra forma de parentesco. Sobre estupro, houve aumento de 4,2%, sendo mais de ¾ pessoas vulneráveis, incapazes de consentimento (mais de 61% tinham menos de 13 anos) e em quase 80% dos registros, o autor era conhecido da vítima. Essa realidade justifica a necessidade de manutenção das campanhas de sensibilização e conscientização sobre a Lei Maria da Penha e o combate à violência de gênero. Assim, a campanha agosto lilás, com o tema “Um instrumento de luta por uma vida livre de violência” é endossado também pela ONU Mulheres (Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e Empoderamento da Mulher), enfatizando os pactos de: Igualdade de gênero, pelo qual sustenta incentivo ao empoderamento de todas as mulheres e meninas; assim como o de Paz, justiça e instituições eficazes, cujas ações devem promover sociedade pacífica e inclusiva para o desenvolvimento sustentável, e proporcionar acesso à justiça para todos. A promoção da cultura da paz depende do incentivo ao respeito às mulheres, aos seus direitos, tendo a Educação, segundo Maria da Penha, papel essencial na condução de mudanças. Importante presentificar o compromisso educativo em todos os níveis de ensino, tanto na educação formal, como também espaços não formais e informais da sociedade. Portanto, participam da formação profissional, na área da educação, do direito, da psicologia, do serviço social, dos profissionais da saúde em geral, os fundamentos sobre direitos humanos, promoção da vida e de condições mais digna para todes, resguardando a diversidade e especificidade dos públicos mais vulnerabilizados, a exemplo das mulheres. Informe-se, participe, acolha, denuncie! É seu papel também mudar este cenário de violência, é sua responsabilidade educar para paz!  
  • Participe da 6ª Videoconferência da Rede Internacional de Filosofia Ecológica Integral!

    Neste sábado (27/08), às 10h, ocorrerá a  6ª Videoconferência da Rede Internacional de Filosofia Ecológica Integral, do ano de 2022. O conferencista e ativista ambiental, Geraldo Silva Jardim, discutirá sobre: "A Integração necessária entre Indivíduo, Natureza, Sistema Social e seus obstáculos". O UniBagozzi como um dos apoiadores deste evento, convida a comunidade acadêmica para participar do bate-papo. Clique no link e participe! http://meet.google.com/egf-mbdg-kkv
  • Direção do UniBagozzi reuniu-se com o Conselho de Segurança do bairro Portão. Confira!

    Cidadania, integração e cooperação para aprimorar a segurança no bairro Portão. Esses foram alguns dos temas discutidos em reunião promovida pelo UniBagozzi com representantes do Conselho de Segurança do bairro Portão, da Polícia Militar do Paraná, da Administração Regional da Prefeitura de Curitiba e da direção geral da universidade. Dentre os resultados do encontro, foram analisadas iniciativas a serem articuladas para proporcionar melhorias de segurança ao bairro Portão. Além disso, foram propostas ações educativas a serem realizadas no UniBagozzi e que alcancem toda a comunidade da região. Estiveram presentes o Capitão Holler da PM do Paraná, Doroti Valeixo, Mari Berkenbrock e Luiz Beraldi, membros civis do Conseg, Gerson Gunha e Silvio Teixeira da Administração Regional da Prefeitura de Curitiba, e Marcos Custódio e Rodrigo Coelho do UniBagozzi.
  • Coordenadora do curso de Psicologia participa de Audiência Pública em comemoração aos 60 anos da Regulamentação da Psicologia no Brasil. Confira!

    Nesta segunda-feira (22/08), a coordenadora do curso de Psicologia, Profª. Cláudia Cobalchini, a convite da Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) em parceria com Assembleia Legislativa do Estado do Paraná, participou da Audiência Pública “60 anos da Regulamentação da Psicologia no Brasil”. A coordenadora representou a ABRAPSO discorrendo sobre o tema “O Compromisso social da Psicologia nas Políticas Públicas”. A história da Psicologia no Brasil desenvolveu-se, em parte, mediante a instrumentalização de situações de avaliação psicológica na educação e em seguida na indústria, a partir de concepções positivistas e norte-americanas de controle e classificação de pessoas, grupos e instituições. Neste cenário latino-americano, de ditaduras e carestia social, na década de 70, trabalhadores da saúde e movimentos sociais passam a reivindicar a construção de políticas públicas, a exemplo do que foi a luta pela promulgação, somente em 1990, após a constituinte brasileira, do Sistema Único de Saúde (SUS). E ainda no final do século passado que a Psicologia é chamada a sair dos muros das universidades, a encontrar as pessoas em suas condições concretas de vida. Ao lado da necessidade de conhecer as determinações histórico-político-econômicas que incidem sobre a materialidade da vida, a Psicologia posiciona-se ao lado da defesa dos direitos sociais, os quais são fundamentados nos Direitos Humanos. O Código de Ética Profissional da Psicologia (CFP, 2005) é pautado na promoção do respeito e da liberdade, da dignidade, da igualdade e integridade do ser humano. Portanto, a profissão e a ciência da Psicologia assumem um projeto ético-político a serviço do desenvolvimento de Políticas Públicas, voltadas à garantia de direitos sociais: um compromisso com a transformação social! E hoje incorpora serviços junto ao SUAS (Sistema Único de Assistência Social), ao poder judiciário, aos direitos de crianças, adolescentes, contra violência doméstica, contra a violência de gênero, em defesa de uma educação com qualidade, na luta antimanicomial, por problematizar as determinações sobre a saúde, por visibilizar diferenças constitutivas étnicas, raciais, etárias, econômicas, entre outras (lazer, esporte, cultura, trânsito, atenção a emergências e desastres, etc). É o reconhecimento sobre as práticas historicamente reprodutivistas de sexismo, machismo, misoginia, capacitismo, racista, homotransfóbico, entre outras, que permite hoje avançar sobre formas de resistência à alienação e na construção de práxis que fomente condições constitutivas de emancipação de todas as pessoas. Permanecem desafios diante de um país que teima em questionar processos democráticos, perpetuando a pobreza, com poderes autoritários e excludentes, na produção de vulnerabilização de populações inteiras, diante da retração de investimento estatal. Necessita-se de profissionais que se dediquem à defesa da ciência, que não apenas constatem realidades, mas se proponham a mobilizar as potencialidades, a modificarem as significações afetivas e simbólicas sobre saúde mental, a lutarem contra a opressão, a promoverem enfrentamentos com práticas humanizadas e interdisciplinares com vistas à ampliação de consciência e participação social. Assim, em tempos de comemoração, também há necessidade de resgatar as necessidades de uma população brasileira, latino-americana, que requer formação de profissionais que primem pela promoção da dignidade humana. Parabéns a todas, todes e todos os colegas comprometidos com a construção de uma sociedade mais justa e que possamos inspirar os profissionais em formação! Assista o vídeo institucional do CFP em celebração aos 60 anos de Regulamentação da Psicologia no Brasil: https://www.youtube.com/watch?v=T9ruPtNWpwM  
  • Núcleo de Inovação de Práticas Administrativas iniciou suas atividades para o segundo semestre. Confira!

    No dia 19 de agosto (sexta-feira) , iniciaram os encontros do NÚCLEO DE INOVAÇÃO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - NIPAD da Escola de Gestão do UniBagozzi. O primeiro encontro online promovido pelo Bagozzi Business Center, em conjunto com a professora/coordenadora Jorgina Cristina, teve o intuito de esclarecer os objetivos e finalidades do NIPAD, bem como traças metas para 2022 e 2023. Os acadêmicos ficaram muito entusiasmados, pois perceberam que podem aliar os conhecimentos teóricos, aprendidos ao longo do curso, na prática e ainda contribuir para o crescimento das empresas de pequeno e médio porte que necessitam de consultoria. Saiba mais sobre os próximos encontros acessando o link abaixo. Comunicado 02- NIPAD-2022
  • Confira o compromisso da Educação Superior no Relatório da UNESCO 2022!

    A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) publicou em fevereiro de 2022, o relatório Reimaginar juntos nossos futuros: um novo contrato social para a educação. Este documento convida-nos a iniciar um processo global de compromisso e de construção coletiva, assentado na criatividade, na perseverança e na esperança como primordiais para reconstruir sãs relações entre nós, com o planeta e com a tecnologia. O Relatório, que sintetiza o trabalho coletivo da Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação e participativo de mais de um milhão de cidadãos, de 400 escolas associadas e 200 cátedras da UNESCO em todo o mundo, traz a inquietação sobre três questões essenciais a serem feitas acerca da educação: O que devemos continuar a fazer? Que devemos abandonar? O que deve ser reinventado de maneira criativa? Conectemo-nos nesse esforço comum e trabalhemos juntos para criar futuros compartilhados e interdependentes. Além do compromisso comum, o Relatório destaca a importância de "Renovar a missão da educação superior" (p.57), "O papel facilitador da educação superior" (p.72), o desafio de "Relações contínuas das universidades com os professores" (p.86) e das "Transições da escola para a educação superior" (p. 100). O Relatório pode ser consultado no link:  Relatório UNESCO - 2022
  • Faltam 3 dias para encerrar as inscrições do Grupo de Estudos!

    O Programa de Iniciação Científica do UniBagozzi convida você a participar do Grupo de Estudos sobre Educação das Relações Étnico-Raciais ministrado pelo Prof. Ivan Luiz Monteiro. Faltam 3 dias para encerrar as inscrições! Com o tema BRASIL E SEUS BRASIS: COMUNIDADES TRADICIONAIS, o grupo tem como objetivo compreender a formação das identidades nacionais a partir das culturas e organizações sociais de povos originários e dos africanos, e possui certificação de 40 horas. Os encontros são abertos ao público em geral e serão ministrados aos sábados, das 9h às 11h30, com início no dia 27 de agosto. Participe conosco! Inscrições até o dia 22 de agosto (segunda-feira). Faça sua inscrição gratuitamente, clicando no link abaixo. https://forms.gle/SSGhJjRrm7Hppz2j7
Página 5 de 87« Primeira...456...101520...Última »