Notícias

  • UniBagozzi inicia ciclo de Missas para a comunidade acadêmica. Confira!

    Nesta segunda-feira (14/03), iniciou o ciclo de Missas para a comunidade acadêmica no UniBagozzi. A Missa Universitária tem como intuito promover aos estudantes um momento de reflexão e intimidade com Deus. Participe conosco! Segunda a sexta-feira às 18h30, na Capela do UniBagozzi, localizada no Mezanino. Vem pra missa!  
  • Acadêmicos de Psicologia e Direito fazem visita guiada na Biblioteca do UniBagozzi. Confira!

    No dia 10 de março de 2022, foi realizada a apresentação e visita guiada aos espaços da Biblioteca para os alunos dos cursos de Graduação em Psicologia e Direito. Para que os acadêmicos se familiarizem com o ambiente, foram apresentados: o acervo físico, os serviços oferecidos, assim como as informações sobre horário de funcionamento, empréstimo domiciliar, cadastro nas Bibliotecas Virtuais (Pearson e Saraiva), e o uso das cabines para estudos em grupos. A bibliotecária mostrou aos acadêmicos todos os recursos disponíveis para realização de pesquisas, na aba da Biblioteca no site do UniBagozzi, e reforçou a leitura das “Normas e do Regulamento da Biblioteca” para os usuários. Em caso de dúvidas e questões relacionadas à pesquisa acadêmica, envie um e-mail para [email protected] ou ligue para (41) 3521-2701.
  • Coordenadora do curso de Psicologia ministra palestra na Penitenciária Feminina do Paraná. Confira!

    Em convite do Conselho da Comunidade da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba - Órgão da Execução Penal para integrar às ações promovidas na "Semana Nacional de Justiça pela Paz em Casa", nos dias 07 e 08/03/22, no horário das 15 às 17 horas, a coordenadora do curso de Psicologia do UniBagozzi, psicóloga Cláudia Cibele Bitdinger Cobalchini, participou como palestrante sobre o tema Violência contra mulher, direcionado às mulheres privadas de liberdade e custodiadas na unidade prisional Penitenciária Feminina do Paraná - PFP. O evento trata sobre campanha coordenada nacionalmente pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ, capitaneada em âmbito estadual pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar – CEVID, do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. A professora Cláudia Cobalchini é conselheira do órgão em questão e colabora com as atividades de promoção à efetividade da assistência à família, à mulher e a toda vítima de violência doméstica. Também fora distribuído material de divulgação sobre o “enfrentamento à violência contra mulher” do TJPR. Em sala de aula, a professora Cláudia debateu com a turma de Psicologia sobre as determinações sociais e históricas da desigualdade de gênero e a produção da violência contra mulher. Também houve a distribuição do material sobre o tema, incluindo a lei Maria da Penha, organizado pela CEVID-TJPR.  
  • UniBagozzi marca o mês da mulher com ações envolvendo as acadêmicas e colaboradoras. Confira!

    O dia 08 de março tem representado tanto um dia de luto, pelos números avassaladores de registros de violência contra as mulheres no Brasil, como sobre o índice de feminicídio em aumento mesmo durante a pandemia. E como resistência ao fato sobre a naturalização da desigualdade de gênero em nossa cultura, tem também se apresentado como um dia de luta! Luta pelo respeito, luta pela garantia de direitos, luta pela vida de mulheres! E neste espírito, foram nutridas ações destinadas à comunidade acadêmica do UniBagozzi, tanto pelo corpo docente, como para as discentes e às colaboradoras da unidade. Recepcionadas no saguão do Centro Universitário com as perguntas: “o que você deixou de fazer por ser mulher?” e “o que você fez por ser mulher?”, acadêmicas registraram suas experiências. Sobre as ações impedidas em virtude de serem do gênero feminino, as estudantes comentaram que: deixaram de andar sozinhas, de usarem algumas peças de roupas, de praticarem um esporte, de usarem cabelo curto, de se priorizarem, até de serem contratadas! O que vem ao encontro do relato em sala de aula, quando perguntadas, ampliando relatos: para a desvalorização de suas opiniões e capacidades, sobre a sobrecarga junto a tarefas domésticas e maternas, sobre as agressões verbais, físicas e sexuais vivenciadas, o medo constante sobre sua integridade física, os assédios em transporte público, a diferença na educação de meninos e meninas, o empecilho em continuar a estudar, as diferenças no mundo do trabalho. Como forma de resistência, as mulheres também conseguem hoje identificar o que as torna orgulhosas sobre o gênero, deixando de lado o medo de fracassar, superando desafios, conquistando sonhos, aprendendo a se priorizar, alcançando metas, formando-se nos estudos, sendo reconhecidas suas competências no mundo do trabalho! E é da força coletiva, histórica, de luta pelos direitos, que as mulheres de hoje buscam realizarem-se! É na coletividade, na operação de legislações que defendem sua vida, seu direito ao desenvolvimento integral, saudável e pleno, que aos poucos algumas garantias vêm sendo conquistadas! As coordenadoras dos cursos foram convidadas também a responderem essas mesmas perguntas, trazendo suas experiências sobre a desigualdade de gênero que ainda assola a vida de muitas mulheres! Os vídeos compartilhados nos stories do UniBagozzi inspiraram também a comunidade acadêmica a tomar o tema como importante na formação de cidadãos e cidadãs. A coordenadora do curso de Serviço Social, Profª Gilceia, relatou que: "Hoje as mulheres ocupam o lugar que elas quiserem. A união e a luta das mulheres, conquistaram essa liberdade." A coordenadora da Escola de Gestão, Profª. Elaine, disse que: " Que nós mulheres possamos cada vez mais, com nossa garra e inteligência, ocupar cargos de liderança reduzindo a desigualdade de gênero na área profissional." Às colaboradoras, fora proporcionada uma tarde de acolhimento por meio de partilha de práticas estéticas para ampliar sua autoestima, incentivando a autovalorização e exaltando a beleza na diferença.   E com essas pequenas ações, a aposta da equipe do Unibagozzi foi a sensibilização para necessidade de incentivarmos a construção de relações mais humanizadas, igualitárias, de modo que a presente e as próximas gerações possam reescrever uma história com outras vivências.
  • Últimos dias para a inscrição no DISPEN, Monitoria e Nivelamento. Confira!

    Prezado(a) acadêmico(a), FIQUE ATENTO(A)! O período de inscrição para o DISPEN e, para os Programas de Monitoria e Nivelamento, encerrará no dia 11 de março (sexta-feira). Para realizar sua inscrição é bem simples! DISPEN Procure seu coordenador de curso para realizar sua inscrição. NIVELAMENTO Preencha o formulário clicando aqui. MONITORIA Contate um professor de referência da disciplina e/ou temática e sugira a sua indicação à coordenação do Núcleo de Inovação, Pesquisa e Extensão, solicitando-lhe que envie e-mail para formalizar o pedido: [email protected] Nesse e-mail devem constar as seguintes informações: nome do candidato a monitor, curso, período, número de telefone, e-mail e monitoria de interesse.
  • Inscrições abertas para o Programa de Nivelamento!

    Prezado(a) Acadêmico(a), Fique atento(a)!

    Comunicamos que estão abertas as inscrições para o Nivelamento.

    Período de inscrição: 07 a 11 de Março Para realizar sua inscrição, clique aqui.  
  • Inscrições abertas para o Programa de Monitoria!

    Prezado(a) Acadêmico(a), Fique atento(a)! Comunicamos que estão abertas as inscrições para as Monitorias. Período de inscrição: 07 a 11 de Março Na primeira fase, abrem-se as inscrições para os Monitores. Os monitores devem dominar o conteúdo pois ministrarão as aulas de cada encontro. Cada Monitor voluntário terá direito a 40h de atividades complementares. Os discentes interessados deverão contatar um professor de referência da disciplina e/ou temática e sugerir a sua indicação à coordenação do Núcleo de Inovação, Pesquisa e Extensão, solicitando-lhe que envie e-mail para formalizar o pedido: [email protected] Nesse e-mail devem constar as seguintes informações: nome do candidato a monitor, curso, período, número de telefone, e-mail e monitoria de interesse. A segunda fase é a divulgação das monitorias e inscrição dos discentes interessados. Os discentes participantes da monitoria terão direito a 10h de atividades complementares (por monitoria).
  • Acadêmicos de Psicologia e Direito participaram de palestra que abordou o tema “Saúde Mental”. Confira!

    Dia 25 de fevereiro (sexta-feira), na semana Integra Acadêmico, estiveram reunidas as turmas dos cursos de Psicologia e de Direito no auditório, para prestigiar uma palestra com o tema "Saúde Mental", ministrada pelos professores psicólogos Dr. Adjuto de Eudes Fabri e Me. Davi Sidnei de Lima. "Sem saúde mental, não há saúde". Mas o que é saúde mental? A reflexão parte desde a historicização sobre a evolução do gênero humano e as mudanças, inclusive no funcionamento cerebral, que nas interações com o ambiente (físico e social) adaptou-se e permitiu a criação de novos modos de vida, nem sempre saudáveis. E aí a problematização sobre as concepções de saúde mental diante de relações que não promovem condições dignas para todos, mediante a perda de direitos, da banalização sobre a vida, do mundo do trabalho em plena expansão predatória, da violência legitimada sobre minorias sociais, das desigualdades socioeconômicas que se apresentam como estratégias genocidas... Há que se humanizar as relações, e esta advertência apresenta-se mediante um tempo de hipervalorização das tecnologias de informação, da virtualização das interações.
  • Inscrições abertas para o DISPEN!

    Prezado(a) Acadêmico(a), Fique atento(a)! Comunicamos que estão abertas as inscrições para DISPEN (Disciplinas Pendentes). Período de inscrição: 07 a 11 de Março Interessados precisam procurar a Coordenação do Curso.
  • 1ª Videoconferência da Rede Internacional de Filosofia Ecológica Integral abordou o tema justiça climática e ativismo juvenil. Confira!

    No sábado (26/02), a ativista Walelasoetxeige Suruí (Txai Suruí) participou como convidada especial da 1ª Videoconferência da Rede Internacional de Filosofia Ecológica Integral, do ano de 2022. De forma clara e com exemplos concretos de seu engajamento, Txai Suruí discutiu temas como justiça climática e alertou aos presentes a tomarem uma posição ecológica e política frente aos problemas do desmatamento, do garimpo e de outras práticas insustentáveis e irresponsáveis com a vida dos povos originários, do Planeta e das crianças e futuras gerações. Alertou sobre a necessidade de apoiar ao povo Yanomami frente aos ataques de garimpeiros e posicionar-se frente às injustiças e violações de direitos que decorrem destes conflitos. Conheça a trajetória dela e acompanhe as redes sociais: Walelasoetxeige Suruí (Txai Suruí) - Ativista do Povo Paiter Suruí; Coordenadora do Movimento Juventude Indígena de RO; Coordenadora Geral na Associação de Defesa Etnoambiental - Kanindé; Conselheira Suplente no Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente de Rondônia; Voluntária no Engajamundo; Acadêmica de Direito; Conselheira no WWF Brasil. Instagram: @walela Twitter: @walela1
Página 5 de 78« Primeira...456...101520...Última »